logo-site

O homem foi preso na noite dessa quarta-feira em Sete Lagoas, na Regão Central de Minas Gerais. Sete mulheres procuraram a delegacia para relatar agressões

O empresário Luciano Sousa Fonseca, de 41 anos, acusado de agredir ao menos sete ex-namoradas já está atrás das grades. O homem foi preso na noite de quarta-feira em Sete Lagoas, na Região Central de Minas Gerais, horas depois de a Justiça ter autorizado a prisão preventiva dele. Vítimas relataram que chegaram a apanhar com espetos de churrasco e com celulares, além de levar socos e tapas no rosto. Ao ser apresentado na tarde desta quinta-feira ele negou as acusações.

As investigações contra o empresário do ramo de dedetização começaram em 2012, quando foi feita a primeira denúncia de agressão. De lá para cá, ao menos outras seis mulheres foram vítimas do homem. Segundo a Polícia Civil, ele aproveitava de sua boa situação financeira  para atrair as mulheres, cativando-as com presentes e jantares em restaurantes caros.

A prisão preventiva dele foi pedida e decretada nessa quarta-feira depois que uma das mulheres, uma secretária de 33 anos, contou que ficou em cárcere privado na casa dela por quase quatro dias, entre 12 e 15, na semana passada, quando foi agredida física e psicologicamente pelo empresário. Relatou, ainda, que foi obrigada a manter relações sexuais com ele. No dia 18, domingo, ainda com marcas das agressões no rosto e braço, ela fez um desabafo nas redes sociais. Em 5 e 6 de maio, ela tinha passado por situação semelhante na casa dele, mas não o denunciou na ocasião.

O empresário foi encontrado por volta das 23h em Sete Lagoas. “A equipe especializada de Atendimento à Mulher recebeu informações ao longo do inquérito e conseguiu localizá-lo. O agressor estava em companhia de outra mulher”, explicou a delegada Ana Paula Lamego Balbino, responsável pelo caso.

Nesta quinta-feira, o homem prestou depoimento e não quis dar muitas informações sobre os casos. “A todo momento, tentava justificar as acusações que lhe eram feitas”, comentou a delegada. Ao ser apresentado à imprensa e questionado sobre as agressões, o empresário negou todas elas.

Com a apresentação do homem, a polícia acredita que novas vítimas vão surgir. Já são sete inquéritos abertos pela Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) contra ele. “Depois da divulgação do caso, uma mulher nos procurou ontem (quarta-feira) para denunciar uma nova agressão. Já são sete no total. Acreditamos haja outras vítimas”, afirmou a delegada.

De acordo com a delegada, as vítimas contaram várias formas de agressões cometidas pelo empresário. “Tivemos relatos de agressões com espeto de churrasco, socos, murros, com aparelhos celulares e até com gelo. Geralmente ele começava o relacionamento e nos dois primeiros meses tratava as mulheres gentilmente. Após esse período, vinham as brigas e as discussões por ciúmes. Ele tratava as vítimas de forma cruel e praticava atos de tortura psicológica e moral, além de cárcere privado. Até violência sexual foi cometida, segundos as vítimas”, conta Ana Paula.

RB

*Estado de Minas

 

Gostou do Post? Compartilhe:

Com reservas, Cruzeiro faz jogo apático, perde para Ponte e se afasta do G6 da Série A

Com derrota, Raposa completou três jogos sem vitórias no Brasileirão

Com nove reservas, o Cruzeiro abriu mão de dar sequência ao bom futebol que havia apresentado no segundo tempo da derrota por 1 a 0 para o Corinthians e no empate por 3 a 3 com o Grêmio, pelas últimas duas rodadas da Série A. Em jogo letárgico, a Ponte Preta fez valer a condição de mandante e derrotou a Raposa por 1 a 0 na noite desta quinta-feira, no Moisés Lucarelli. O único gol do duelo foi marcado por Lucca, de pênalti, ainda na etapa inicial.

Surpreendentemente, o suspenso Mano Menezes, que assistiu ao duelo de um camarote, optou por poupar oito jogadores nesta quinta-feira – Ezequiel, Diogo Barbosa, Lucas Romero, Ariel Cabral, Robinho, Thiago Neves, Alisson e Rafael Sobis. O Cruzeiro ainda teve Murilo entre os defensores, já que Leo foi expulso na última rodada da Série A. Kunty Caicedo e Fábio foram os únicos titulares escalados. Com os suplentes, o time celeste foi desorganizado, desempenhou um futebol burocrático e completou o terceiro jogo sem vitória no Campeonato Brasileiro.

Depois do duelo em Campinas, o Cruzeiro retorna ao Mineirão para receber o Coritiba, pela 10ª rodada do Campeonato Brasileiro. O compromisso, que marcará a estreia do novo uniforme da Raposa, está marcado para o próximo domingo, às 16h. Os ingressos já estão disponíveis para os torcedores. A Ponte, por sua vez, volta a entrar em campo dentro de seus domínios, em embate diante do Palmeiras, também no domingo, às 16h.

O jogo

Depois de protagonizar um dos melhores duelos do Campeonato Brasileiro, o empate por 3 a 3 com o Grêmio, no Mineirão, o Cruzeiro foi personagem de um jogo sofrível na noite desta quinta-feira. Sonolento, o embate entre Ponte Preta e Raposa (com nove jogadores reservas) teve sua primeira finalização apenas aos 36 minutos, quando o atacante Lucca sofreu pênalti infantil de Lennon, cobrou e abriu o placar do Moisés Lucarelli. 1 a 0. Antes disso, muitos erros de passe e pouquíssima inspiração de lado a lado.

Ainda que em marcha lenta, o início da etapa final mostrou alguma movimentação. Pelo Cruzeiro, Elber foi quem tomou mais iniciativa aproveitando a deficiência de marcação da Ponte Preta no lado direito. O camisa 23 foi o responsável pela primeira finalização, aos 8’. Aranha fez defesa importante. Três minutos depois, nova chegada perigosa da equipe celeste. Ábila recebeu lançamento, escorou de peito para Rafael Marques, mas o atacante se desequilibrou no momento da finalização.

Diante de um domínio ofensivo e maior volume de jogo do Cruzeiro, Sidnei Lobo, substituto de Mano no banco, mudou quase ao mesmo tempo duas peças de ataque. Promoveu a estreia de Sassá e trocou Ramón Ábila por Rafael Sobis. Apesar das novidades, o desempenho seguiu muito tímido, longe do que poderia ser caso os titulares tivessem recebido oportunidades desde o início da partida. O jogo, que certamente estará na lista dos piores da competição nacional, caminhou para o fim de forma melancólica.

*Estado de Minas

Gostou do Post? Compartilhe:

Trânsito no local foi interditado nos dois sentidos; na lista, há pelo menos 22 feridos

Um acidente entre uma carreta, um ônibus e duas ambulâncias deixou vários mortos e feridos no km 343 da BR-101, em Guarapari, no Espírito Santo, próximo a um posto de combustíveis. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), pelo menos 21 mortes já foram confirmadas e 22 feridos. As colisões aconteceram no início da manhã desta quinta-feira. 
As informações iniciais da PRF são de que uma carreta carregada de rochas que seguia para o município de Cachoeiro de Itapemirim, no sul do Estado, invadiu a contramão e atingiu de frente um ônibus com passageiros que voltava de São Paulo para Vitória. Atrás ainda estavam duas ambulâncias dos municípios de Jerônimo Monteiro e Alfredo Chaves. Algumas vítimas foram arremessadas para fora dos veículos e outras, carbonizadas. Segundo a assessoria de imprensa da Águia Branca, o ônibus transportava 31 passageiros. O motorista foi socorrido com vida.

No local, policiais ainda estão trabalhando na remoção de vítimas e o encaminhamento delas para hospitais da região. A PRF ainda não divulgou o total de feridos no acidente. “Estamos preocupados primeiramente em resgatar essas pessoas e identificar os mortos no local. Após isso, vamos recolher os dados dessas pessoas. Foi uma fatalidade”, afirmou o superintendente da PRF no Espírito Santo, Wyllis Lyra.
Nas proximidades do acidente, foram vistas muitas ambulâncias, equipes de policiais civis e militares, além de muitos curiosos. O trânsito no local foi interditado nos dois sentidos e não há previsão de quando a pista será liberada.
*Estado de Minas
Gostou do Post? Compartilhe:

O presidente Michel Temer afirmou, em entrevista exclusiva à agência de notícias russa Tass, que o Brasil pode comprar 12 helicópteros militares russos. Temer comentou que o assunto é discutido pelos ministros da Defesa das duas nações.

O líder brasileiro concedeu a entrevista, publicada no site da agência na noite de ontem, durante sua visita à Rússia nesta semana. “Nós temos um acordo de cooperação na esfera da defesa onde a Rússia pode nos oferecer muito”, disse Temer. Também afirmou que discutiu com o presidente russo, Vladimir Putin, a possibilidade de se lançar satélites artificiais conjuntos dos dois países. “É certo que temos certas restrições orçamentárias, mas há um interesse considerável”, afirmou ele à agência Tass.
Temer disse que discutiu com Putin o fornecimento de produtos agropecuários ao mercado russo. O presidente lembrou que houve uma queda no comércio bilateral no ano passado, mas que neste ano ele voltou a aumentar. “Portanto, nossos laços comerciais estão aumentando”, avaliou.

O presidente do Brasil disse que se encontrará com Putin novamente em Hamburgo, num intervalo do encontro do G-20 em Hamburgo, e também em uma reunião do grupo dos BRICS na China. Segundo a agência Tass, Putin pretende visitar o Brasil no futuro, após receber convite de Temer, mas isso não deve ocorrer ainda neste ano.

Estado de Minas

Gostou do Post? Compartilhe:

O Planalto reagiu nessa quarta-feira, 21, à derrota na votação da reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado ao exonerar dois indicados do senador Hélio José (PMDB-DF) de órgãos ligados ao Executivo.

O peemedebista foi um dos três senadores da base que ajudaram a derrubar, anteontem, relatório do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) a favor da reforma. Além disso, o governo está fazendo mapeamento de outros cargos ligados ao senador – mais um deve ser exonerado hoje. Os outros dois parlamentares que votaram contra foram o tucano Eduardo Amorim (SE) e Otto Alencar (PSD-BA).

A retaliação foi interpretada por alguns senadores como uma forma de o governo tentar conter uma possível debandada de aliados em um momento em que o presidente Michel Temer atravessa grave crise política. Embora governistas tenham minimizado a derrota na comissão, o resultado da votação mostrou que há divisões na base aliada. Um dos pontos de preocupação está na relação com o líder do PMDB na Casa, Renan Calheiros (AL), que tem adotado discurso contrário às reformas e influenciado as dissidências. A “traição” de Hélio José, por exemplo, é atribuída a Renan.

Renan

O senador do DF havia dito a governistas que não participaria da sessão até o dia anterior, alegando sentir dores na coluna. No dia da votação, porém, apareceu “escoltado” por Renan. O líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), queria que Hélio José fosse substituído pelo seu suplente, Garibaldi Alves (PMDB-RN), favorável à reforma.

Renan evitou falar da sua participação na derrota governista e cobrou mais diálogo do Planalto com a base. “O resultado significa que o Parlamento está dividido. Seria a hora de o governo chamar todo mundo para discutir mudanças na medida provisória que trata da reforma.”

Ontem, porém, o próprio Hélio José admitiu a influência do líder da bancada. “O Renan tem uma posição que é claro que influencia”, disse.

Após perder os cargos na Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco) e na Superintendência do Distrito Federal da Secretaria de Patrimônio da União (SPU-DF), Hélio José cobrou a renúncia de Temer. “Nós não podemos permitir que o governo transforme votações em balcão de negócios. Esse governo está podre. Esse governo corrupto tinha de ter vergonha na cara e renunciar”, disse.

A estratégia de retaliar aliados já havia sido adotada com o senador Eduardo Braga (PMDB-AM), no fim de maio, após ele adotar discurso contrário à reforma. O Planalto exonerou à época sua indicada para a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa).

Tucanos

Outra relação conflituosa tem sido mantida com o PSDB, que tem cinco ministérios. Mesmo com a decisão da Executiva tucana de permanecer na base, a aliança voltou a ficar estremecida após o ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência) culpar o partido pela derrota na comissão. O Planalto ainda não decidiu o que fará com o PSDB, mas a ordem por enquanto é tentar minimizar o desgaste.

O atrito provocado pela derrota na CAS reforçou os argumentos de tucanos insatisfeitos. “Quando o governo ganha dizem que Temer mostra força, quando perde colocam a culpa no PSDB. Até quando o PSDB vai aceitar ser a Geni de Temer?”, disse o deputado Daniel Coelho (PE), um dos “cabeças pretas” da Câmara, ala que defende que a sigla entregue seus cargos na gestão peemedebista.

Insatisfação

Mesmo entre os caciques tucanos o sentimento era de insatisfação. A avaliação de alguns parlamentares é de que foi o presidente que errou ao levar o líder do PSDB no Senado, Paulo Bauer (SC), e o ministro Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo) para acompanhá-lo na Rússia. “O governo levou todo mundo para Moscou e esqueceu da votação”, disse o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), presidente interino da sigla.

A declaração de Moreira incomodou até mesmo Jucá, demonstrando falta de alinhamento entre os principais articuladores políticos de Temer.

Outra leitura sobre o episódio é que, diante da crise no governo, os parlamentares do Nordeste estão desconfortáveis em votar a favor da reforma. Isto porque Temer tem os piores índices de aprovação na região.

Estado de Minas

Gostou do Post? Compartilhe:

A programação da Exposição Agropecuária e Industrial de Itabira (Expoita) de 2017 foi divulgada oficialmente na manhã desta quarta-feira (21) por Maurício Henrique Martins, presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Itabira, organizadora do evento. Em sua fala, o representantes dos lojistas destacou a necessidade de realizar a festa, mesmo sem o apoio financeiro da Prefeitura. De acordo com ele, a economia itabirana terá grande movimentação com a realização da exposição o que poderá representar um aumento na geração de emprego e renda para o município, além da promoção de quatro dias de entretenimento para a população.
A festa será realizada entre os dias 10 e 13 de agosto e a venda dos ingressos começam hoje. A programação já está definida e foi confirmada pelo presidente da CDL. No primeiro dia de festa, na quinta-feira, dia 10, sobe ao palco a dupla sertaneja Henrique e Juliano, na sexta-feira (11) a dupla Zé Neto e Cristiano anima a segunda noite da festa, no sábado (12) terá Milionário e Marciano com o show Lendas e na sequência a dupla de sertanejo universitário Rick e Nogueira fecham o terceiro dia de evento. No domingo (13) no encerramento, a banda Oba Oba Samba House anima o público com samba e pagode em arranjos que também levam uma pitada de rock in roll.
A geração de emprego e renda nos quatro dias da festa foi destacado pelo presidente da CDL. De acordo com Mauricio Martins, haverá espaço aberto aos 22 barraqueiros que compõem a associação do município. Somente com este setor, estima o representante dos lojistas, a festa deverá empregar mais de 100 pessoas temporariamente.
“Só das associações de barraqueiros nós temos 22, normalmente todos participam, cada um contrata em torno de cinco pessoas para ajudar nos trabalhos e só ai nós temos um número que passa de 100 pessoas trabalhando, quando vamos contabilizar outros setores que se envolvem na festa, nós temos um número de pessoas muito grande faturando e trabalhando”, resumiu ele.
Nas últimas edições da festa Mauricio Martins disse que mais de 100 mil pessoas passaram pelo Parque de Exposições. Este ano, disse ele, a média deverá ser mantida. Mesmo sem a entrada gratuita, como ocorreu nas edições anteriores, ele explicou que os ingressos estão sendo vendidos à preções populares. O passaporte para os quatro dias de festa, informou, começa a ser vendido nesta quarta-feira à R$ 85,00.
“Estamos resgatando um evento que ficou lá no passado e a sociedade clama por isso, tem dois anos que não acontece e a CDL abraçou esta causa, deixando claro, sem nenhum recurso investido pela Prefeitura, porque o prefeito acha mais importante investir em outros setores, eu também acho, acredito que toda população concorda com isso, mas como dirigentes lojistas não podemos deixar passar. O comercio está precisando de um incremento, as pessoas estão desempregadas e é um momento de gerar empregos neste momento”, destacou.

Gostou do Post? Compartilhe:

Jovem meia do Coelho entrou no 2º tempo e marcou o gol da vitória alviverde

Parecia um filme repetido. Jogando em casa, o América dominava o adversário, tinha as melhores oportunidades de gol, mas não conseguia balançar as redes. João Ricardo não havia sido exigido e Julio Cesar salvou o Santa Cruz em pelo menos duas oportunidades. Aos 33 minutos do segundo tempo, o talento individual sobressaiu. Matheusinho, que estava em campo há apenas seis minutos, driblou dois adversários e mandou no canto para marcar o gol da vitória do Coelho.

Resultado de extrema importância, já que o América estava há três jogos sem vencer e se aproximando cada vez mais da zona de rebaixamento. Com os três pontos, o Coelho sobe cinco posições e está na 9ª posição na tabela – a colocação pode mudar até o fechamento da rodada. Com a derrota, o Santa Cruz cai para a 6ª posição da competição.

Na próxima rodada da Série B, o América vai até Lucas do Rio Verde, onde enfrenta o Luverdense, às 21h30 de sexta-feira, no Passo das Emas. O Santa Cruz joga em casa no complemento da 10ª rodada. O Coral recebe o Figueirense, na Arena Pernambuco, às 16h30 do sábado.

O jogo – Muito modificado, o América demorou a se encontrar na partida. Não é que o Santa Cruz dificultasse a vida da defesa alviverde. A partida começou muito concentrada no meio de campo. O Coelho levava a melhor no duelo das intermediárias, mas não conseguia a infiltração mais próxima ao gol adversário. Quando Luan e Hugo Cabral inverteram as posições nas pontas e Bill saiu mais da função de centroavante, os espaços começaram a aparecer.

Com boas avançadas de Pará e Christian, o Coelho conseguia as melhores investidas pelas pontas. Aos 20′, Zé Ricardo deu belo passe para Bill. O atacante conseguiu a infiltração entre os zagueiros e bateu de primeira, tentando encobrir Júlio Cesar. A bola subiu e caiu na parte de cima das redes.

Depois do primeiro lance de perigo, o América cresceu na partida. Aos 24′, Renan Oliveira recebeu pela esquerda e buscou o canto, para defesa do goleiro Coral, que também teve trabalho, um minuto depois, em finalização de Luan. Acuado, o Santa Cruz tentou congestionar o meio-campo. Sem muitos espaços, o Coelho só levou perigo novamente em chute de Christian, que passou por cima.

O América voltou para o segundo tempo chamando o Santa Cruz para o jogo. O Coelho dava mais campo para o adversário atuar e chegar até a intermediária alviverde. Ainda sem conseguir levar perigo ao gol de João Ricardo, o time pernambucano viu os donos da casa finalizarem com perigo em chute de Pará. Jogando em posição mais recuada para puxar o contra-ataque, Luan errou dois passes na saída de bola e irritou a torcida. Enderson lançou Mike no lugar do camisa 11, que saiu de campo vaiado.

Aos 20′, o Coelho encaixou seu primeiro contragolpe de perigo. Hugo Cabral intercepta passe de Thiago Primão, avança e manda uma bomba da entrada da área. A bola passa perto, mas por cima do gol de Julio Cesar. Ainda com espaços pelas pontas, Enderson tirou seu armador centralizado para colocar mais um jogador de mobilidade – saiu Renan Oliveira e entrou Matheusinho.

Seis minutos em campo e a joia americana resolveu. Matheusinho recebeu pela esquerda, cortou para dentro, limpou dois adversários e bateu forte, no canto, abrindo o placar no Horto. Aos 33′, 1 a 0 América. O Santa Cruz sentiu o golpe e tentou chegar ao empate no desespero. O Coelho soube segurar a vantagem e ainda teve uma chance de ampliar com Bill, que chutou em cima do goleiro, já nos acréscimos.

*Estado de  Minas

Gostou do Post? Compartilhe:

Segundo a defesa, os novos documentos seriam a prova de que a OAS não tinha o controle sobre o imóvel

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva apresentou nesta terça-feira as alegações finais no processo em que o petista é acusado de receber vantagens da empreiteira OAS por meio de um apartamento tríplex no Guarujá e do armazenamento de parte do acervo presidencial.

A partir de agora o juiz da 13ª Vara Criminal Federal de Curitiba, Sérgio Moro, pode pedir novas diligências ou publicar a sentença.

Em entrevista coletiva realizada nesta terça, em São Paulo, o advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins, apresentou documentos que, segundo a defesa, mostram que a OAS não poderia ter repassado o apartamento a Lula pois os direitos econômicos e financeiros do imóvel foram transferidos pela OAS a um fundo gerido pela Caixa Econômica Federal (CEF) em 2010 como parte da execução de uma dívida da empresa.

Em novembro de 2009 o tríplex foi oferecido como garantia de um empréstimo feito pela OAS.

Na denúncia, lastreada pelo depoimento do ex-presidente da OAS José Aldemário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro, o Ministério Público Federal (MPF) afirma que Lula recebeu o tríplex como contrapartida por três contratos firmados entre a Petrobras e a empreiteira durante o governo do petista.

Segundo a defesa, os novos documentos seriam a prova de que a OAS não tinha o controle sobre o imóvel e, portanto, Lula nunca foi dono do apartamento.

“Qualquer resultado que não seja a absolvição seria resultado de um julgamento político”, disse Zanin.

De acordo com ele, a venda ou transferência de qualquer imóvel do Solaris está condicionada ao depósito do valor recebido em uma conta da CEF, o que não ocorreu.

Na apresentação das alegações finais os advogados de Lula deixaram em segundo plano o argumento usado pelo ex-presidente durante depoimento ao juiz Sérgio Moro, em maio, de que o interesse pelo tríplex era da ex-primeira-dama Marisa Letícia, que morreu em fevereiro, mas afirmaram que a participação dela no negócio tem papel central na defesa.

“Não me parece que dona Marisa fosse incapaz de tomar decisões sozinha”, disse a advogada Valeska Teixeira.

Segundo Zanin, a ex-primeira-dama foi a responsável pela compra da cota no edifício Solaris quando o empreendimento ainda pertencia à Bancoop, cooperativa que teve como presidente o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, preso pela Lava Jato, e também pela administração da cota.

Os advogados de Lula criticaram a postura da Polícia Federal e MPF nas investigações, apontando faltas de interesse em aprofundar as apurações sobre a situação legal do apartamento, e também o juiz Moro que, segundo Valeska, “perdeu as condições de julgar este processo”.

*Estado de Minas

Gostou do Post? Compartilhe:

A Polícia Federal tornou público documento encaminhado ao Supremo nesta terça-feira

A Polícia Federal tornou público nesta terça-feira a preliminar do relatório encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF) em que afirma que há “evidências” que o presidente Michel Temer (PMDB) praticou corrupção “com vigor”. Os atos teriam sido cometidos por temer e seu ex-assessor Rodrigo Rocha Loures.

“Diante do silêncio do mandatário maior da nação e de seu ex-assessor especial, resultam incólumes as evidências que emanam do conjunto informativo formado nestes autos, a indicar, com vigor, a prática de corrupção passiva”, afirma o texto da PF.

O relatório integra o inquérito que apura se Temer e Loures praticaram obstrução da Justiça, além de organização criminosa e corrupção passiva.

Para sustentar a afirmação, a PF afirma no relatório que os pagamentos de propina a Rocha Loures, feitos por Joesley Batista, tem Temer como beneficiário indireto “em raz%u0103o de interferência ou de suposta interferência no andamento de processo administrativo em trâmite no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE)”.

Loures teriam recebido “minuciosas orientações” para tratar de questões de interesse da J&F. Em um dos episódio, o ex-assessor de Temer, ligou para o presidente do Cade, Gilvandro de Araújo, para pedir que atuasse em favor de uma empresa do grupo de Joesley. Na conversa, Loures disse que se tratava de “demanda remanescente de sua época de Planalto” e que a “pendência” afetava a Presidência da República.

A conversa teria ocorrido na presença do empresário e ao encerrar a ligação, Loures afirmou que o presidente do Cade “entendeu o recado”. O episódio foi considerado “crucial” para esclarecer os fatos.

Em outra parte do relatório, a PF afirma que Joesley pediu a Loures que intercedesse sobre uma demanda de uma empresa do grupo junto ao Cade. Em reunião, Joesley teria oferecido propina de 5% sobre o valor do contrato da empresa, que poderia gerar lucro entre R$ 1 milhão e R$ 3 milhões por dia.

Depois do encontro, Ricardo Saud teria procurado o ex-assessor de Temer para combinar a propina. “Nesta primeira parte, Ricardo Saud, ratificando o que fizera Joesley Batista, ofertou valores semanais a Rodrigo Loures, decorrência da resoluç%u0103o da questão submetida ao Cade, explicando-Ihe detalhadamente como se dariam os repasses. Rodrigo Rocha Loures manteve-se atento às explicações, intervindo por vezes. Na folha com anotações manuscritas consta que a eventual variação do “PLD” é o que determina o montante a ser pago semanalmente como propina”, descreve a PF.

Saud afirmou ainda que apesar de a negociação ter sido comanda por Loures, o real destinatório da propina era Temer.

Defesa de Temer

O advogado do presidente Michel Temer, Antonio Claudio Mariz, informou nesta terça-feira, 20, que a defesa entende ser desnecessário “qualquer pronunciamento neste momento” em relação ao relatório parcial enviado pela Polícia Federal ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Apesar da negativa, Mariz criticou a conduta da PF. “Não vamos responder, pois na verdade um relatório sobre investigações deveria ser apenas um relato das mesmas investigações e não uma peça acusatória. Autoridade policial não acusa, investiga”, afirmou.

O Palácio do Planalto também tem evitado comentar o tema e ao ser questionado oficialmente sobre o andamento das ações da PF diz apenas que os advogados do presidente é que se pronunciam sobre o caso. (Com Agência Estado)

*Estado de Minas

Gostou do Post? Compartilhe:

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal julga nesta terça-feira, 20, os recursos contra a decisão do ministro Edson Fachin de afastar o senador Aécio Neves (PSDB-MG) do cargo e o pedido de prisão do tucano feito pela Procuradoria-Geral da República. A defesa de Aécio solicitou que o Supremo devolva a ele as funções parlamentares.

Fachin, relator da Operação Lava Jato na Corte, afastou Aécio em maio, durante operação que teve como base a delação do Grupo J&F. O ministro negou o pedido de prisão, mas uma nova solicitação foi feita pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Na sessão, os ministros da Primeira Turma – Marco Aurélio Mello, Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Fux – também julgarão os pedidos das defesas da irmã de Aécio, Andrea Neves, do primo do tucano Frederico Pacheco e do ex-assessor parlamentar Mendherson Souza Lima, que foram presos preventivamente por decisão de Fachin. As defesas pedem a revogação das ordens de prisão.

Na semana passada, no primeiro julgamento relacionado a esta investigação – o de uma questão de ordem apresentada pelo relator Marco Aurélio – a Primeira Turma decidiu manter Andrea presa. Na ocasião, Barroso, Rosa Weber e Fux mantiveram o entendimento de Fachin, que foi o primeiro relator do caso, antes da redistribuição para Marco Aurélio.

Fux disse, semana passada, que o voto dado no caso de Andrea não deveria ser visto como um indicativo de como ele se posicionará no julgamento em relação a Aécio. “Os pressupostos são diferentes”, afirmou. A expectativa, nos bastidores do Supremo, é de que Barroso e Rosa Weber, considerados duros em seus votos na área penal, podem votar pela prisão do senador afastado.

No entanto, ninguém crava se algum outro ministro do tribunal acompanharia tal posicionamento. Sobre a forma como será conduzida a sessão, os pedidos serão analisados separadamente.

Marco Aurélio, que também é o presidente da Primeira Turma, não adiantou qual será o primeiro pedido a ser analisado: o de prisão de Aécio ou o de revogação do afastamento do parlamentar do Senado. Senado.

Considerado crucial nas decisões do Senado, o PMDB já sinalizou que só votará contra eventual pedido de prisão de Aécio se os tucanos demonstrarem apoio incondicional a ele.

Ontem, o líder do PMDB na Casa, Renan Calheiros (AL), evitou se comprometer e afirmou não ser possível fazer um prognóstico do caso antes da decisão do Supremo. Presidente do Conselho de Ética do Senado, o também peemedebista João Alberto Souza (MA) compartilhou da opinião de Renan. Souza afirmou que aguardará o julgamento no Supremo para definir se aceitará ou não o pedido de cassação contra Aécio que tramita no colegiado e que seu posicionamento deverá ser de acordo com o do plenário da Casa.

No caso do senador cassado Delcídio Amaral (ex-PT-MS), por exemplo, Renan e João Alberto Souza se manifestaram abertamente contra a prisão do ex-parlamentar. Nos bastidores, nomes fortes do PMDB já enviaram recados aos tucanos, de que só depende do PSDB a iniciativa para barrar uma eventual prisão de Aécio. O entendimento dos peemedebista é o de que, se nem o partido do senador afastado o defender publicamente, “não sobra ninguém para abraçar a causa”.

Pauta
Caso o Supremo determine a prisão do parlamentar tucano, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), deve pautar a votação sobre o caso em um período de 24 horas, como determina a Constituição. Por meio de votação nominal, são necessários pelo menos 41 senadores para definir o resultado.

As sinalizações do PMDB ocorrem no momento em que o PSDB enfrenta uma de suas piores crises. Os tucanos discutem não só o apoio a Aécio, mas também a permanência do partido na base aliada do governo do presidente Michel Temer.

Amanhã está prevista uma reunião da legenda para debater essas e outras questões. O líder do PSDB no Senado, Paulo Bauer (SC), avaliou que não há argumentos suficientes para embasar o afastamento de Aécio, mas evitou comentar sobre uma eventual prisão do colega de partido.

Estado de Minas

Gostou do Post? Compartilhe: