logo-site
05 07

ALMG aprova projeto que permite ‘venda’ da Cidade Administrativa

O texto, enviado pelo governo, cria seis fundos de investimento para o estado. O imobiliário trata da alienação de imóveis

Depois de muita discussão e polêmica, com 48 votos favoráveis e 16 contrários, os deputados estaduais aprovaram na noite desta terça-feira, em primeiro turno, o projeto de lei que cria seis fundos para o governo de Minas. Entre eles está um de investimento imobiliário que possibilitará a negociação de cotas da Cidade Administrativa, sede do governo mineiro e principal obra da gestão do ex-governador Aécio Neves (PSDB).

O complexo é avaliado em R$ 2 bilhões, metade dos R$ 4 bilhões que o Executivo pretende arrecadar com a proposta aprovada.

O texto foi aprovado em meio a críticas da oposição. Foram apresentadas 74 emendas, mas elas foram rejeitadas. O Executivo conseguiu a aprovação na terceira reunião do dia convocada somente com essa pauta.

“O que esse projeto pretende é vender o patrimônio que é de todos os mineiros”, protestou o líder da oposição, deputado Gustavo Corrêa (DEM). Ele pediu que os parlamentares não se deixassem levar pela pressão do Palácio da Liberdade. O deputado Carlos Pimenta (PDT) também reclamou o fato de os fundos terem sido votados em conjunto.

O líder do governo Durval Ângelo contesta as críticas e diz que serão criados seis fundos de investimentos, sendo dois para parcerias público privadas, dois imobiliários, um de securitização da dívida pública e um destinado a empréstimos a empresas. “Eles são importantes porque criam um círculo virtuoso de crescimento e, neste momento, Minas Gerais tem que ter esses mecanismos de intervenção e captação de recursos para projetos de desenvolvimento no mercado. Nossa expectativa é de geração de R$ 4 bilhões em um primeiro momento”, afirmou.

Durval argumenta, ainda, que projetos semelhantes estão sendo adotados pelos governos do PSDB em São Paulo, de Geraldo Alckmin no estado e João Dória na capital. De acordo com o petista, trata-se de usar imóveis ociosos, tirando deles recursos para investir. (Com informações da Agência ALMG)

  • Estado de Minas
 
Gostou do Post? Compartilhe:
Deixe seu comentario