logo-site
30 05

Fobia social: É preciso admitir que precisa de ajuda

Na maioria das vezes confundida com timidez, a fobia social se caracteriza por medos e ansiedades em excesso, de maneira a interferir na rotina de vida da pessoa. Tais sentimentos são sempre voltados a algo real, nas situações em que o fóbico se sente ameaçado e sujeito a julgamento e opinião de terceiros. É insegurança e medo de não ser aceito no meio social. Se apavora diante da possibilidade de falar em público ou até mesmo em situações em que tem de expressar para seu grupo em que faz parte. A pessoa se trava. É comum nessas situações perder a voz, tremor e suor excessivos, taquicardia.
Por medo, sempre concordam com tudo a sua volta só para não ter de se manifestar diante do grupo. As mulheres que sofrem de fobia social se tornam frustradas e com a autoestima baixa acabam por não conseguirem emprego ou não crescem profissionalmente.

Medo de não ser aceito no meio social

Algumas mulheres desistem de seus estudos só para não ter de se socializarem com os colegas de colégio ou faculdade. Pelo simples motivo de nunca manifestar sua vontade ou opinião, o fóbico acaba sendo rotulado como pessoa legal, de fácil convivência. Puro engano. Apenas vai se fechando para o mundo e acumulando frustrações. Perde grandes oportunidades de crescimento por ter medo de arriscar na busca dos sonhos ou novas oportunidades.

As causas da fobia social são associadas a fatores genéticos e influências do meio social, principalmente do meio familiar que é de onde todo ser humano copia seus primeiros exemplos para a vida principalmente dos pais. Então se ela cresce convivendo com medos e inseguranças em excesso com certeza levarão um pouco disso na bagagem da vida

Quem sofre com essa doença deve procurar ajuda profissional, pois existe tratamento. A primeira coisa a fazer é procurar orientação psicológica para que o especialista avalie a dimensão do problema e inicie o tratamento, que pode ser terapia comportamental, à base de medicamentos ou a combinação das duas. O importante é admitir que precisa de ajuda e ir em busca. O apoio de amigos e família também contribui para o sucesso do tratamento.

*diariofeminino

Gostou do Post? Compartilhe:
Deixe seu comentario