Com time misto, Atlético decepciona em casa novamente e é superado pelo Vasco: 2 a 1

Comandado por Giacomini, Galo sofre quinto revés no Horto na Série A

Em primeira partida depois da demissão do técnico Roger Machado, o Atlético amargou mais uma derrota em casa pelo Campeonato Brasileiro. Comandado interinamente por Diogo Giacomini, o Galo entrou em campo com poucos titulares recorrentes – Fábio Santos, Rafael Carioca, Marlone, Robinho e Fred – e acabou batido pelo Vasco, neste domingo, no Independência, por 2 a 1. O atacante Paulinho, de apenas 17 anos, brilhou no Horto e anotou os dois gols cruz-maltinos. O volante Yago, em belo chute, fez o do time mineiro.

Esta foi a quinta derrota do Atlético em nove jogos como mandante no Brasileiro – e a terceira consecutiva diante da torcida. A campanha atleticana na competição inclui cinco vitórias, cinco empates e seis reveses.  O novo resultado negativo deixa o Alvinegro na 13ª colocação, com 20 pontos em 16 rodadas disputadas. Já o Vasco sobe ao oitavo lugar, com 23 pontos.

O Atlético volta a campo na próxima quarta-feira, às 19h30, no Rio de Janeiro, em confronto decisivo com o Botafogo pelas quartas de final da Copa do Brasil. Com a vantagem do empate para chegar à semifinal da competição, o time mineiro deverá ser treinado por Rogério Micale, substituto de Roger Machado. Pelo Brasileirão, o desafio seguinte do Galo é diante do Coritiba, no Couto Pereira, às 16h, no domingo que vem. No dia seguinte, o Vasco terá pela frente o Atlético-PR, em casa.

O jogo – Um dos poucos titulares do Atlético em campo contra o Vasco, Fred sofreu uma fisgada na panturrilha direita logo aos dez minutos de jogo e precisou ser substituído por Rafael Moura. Galo levaria um golpe ainda pior três minutos mais tarde. O argentino Escudero lançou Paulinho, na grande área. O lateral-direito Alex Silva falhou na tentativa do corte, o jovem atacante aproveitou e tocou na saída do goleiro Giovanni: 1 a 0.

O gol vascaíno parecia o prenúncio de mais uma derrota do Atlético em casa no Brasileiro. No entanto, a equipe comandada por Diogo Giacomini reagiu e conseguiu o empate aos 17 minutos. Yago desarmou Bruno Paulista na intermediária, avançou, viu Martín Silva adiantado e bateu com categoria. A bola tocou no travessão e quicou dentro do gol sem estufar a rede. O goleiro uruguaio pegou a bola rapidamente, tentou sair jogando, mas o árbitro confirmou o belo gol atleticano no Independência: 1 a 1.

O Atlético teve chance de virar o placar aos 23 e 33 minutos. Na primeira, Otero, em cobrança de falta, levantou a bola para a área, e a zaga cruz-maltina afastou mal. A sobra ficou com Rafael Moura, na marca do pênalti, mas o arremate explodiu na defesa. Na outra oportunidade, o Galo apertou novamente a saída de bola adversária – a exemplo gol de empate. Marlone ficou a bola e passou para Robinho, que cruzou para a área. A defesa carioca desviou, e a bola saiu rente à trave esquerda de Martín Silva.

O Vasco também assustou o Atlético em dois momentos. Aos 32min, Bruno Paulista tomou a bola de Rafael Carioca e chutou de longa de distância, mandando à direita do gol de Giovanni. Dois minutos depois, o atacante Paulo Vitor finalizou forte da entrada da área, e Giovanni espalmou para o meio da área. Mateus Vital tentou completar, mas o árbitro assinalou impedimento.

O Atlético voltou com mudança para o segundo tempo: Cazares no lugar de Robinho. O equatoriano entrou ativo e deixou Rafael Moura e Jesiel na cara do gol. As finalizações, no entanto, foram nas mãos de Martín Silva, em boa defesa, e pela linha de fundo. O Galo aumentou a pressão em busca da virada, e Giacomini decidiu realizar a última alteração: Otero deixou o campo para a entrada de Luan. No Vasco, Milton Mendes sacou Escudero e Bruno Paulista, lesionado, e colocou Guilherme Costa e Wellington.

Após a alteração para deixar o time mais ofensivo, o Atlético sofreu o segundo gol no jogo. O garoto Paulinho recebeu na entrada da área e arriscou o chute. A bola encobriu Giovanni e entrou no ângulo esquerdo: golaço do Vasco. 2 a 1 no Horto.

O segundo gol atordoou o Atlético. A equipe teve muita dificuldade para criar as jogadas e chegar à grande área adversária. Um raro momento de perigo foi o forte chute de Cazares de fora da área, já aos 44 minutos Porém, sobre o travessão. Nos acréscimos, a torcida voltou a protestar contra o time, novamente batido em casa, aos gritos de ‘vergonha, vergonha’.

*Estado de Minas

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR


*